Os principais Incêndios no Brasil: Saiba como aconteceram e o que fazer para evitá-los

Saiba como aconteceram e como eles poderiam ter sido evitadas esses incidentes.

O Brasil, em 2015, foi classificado como o 3º país com mais mortes por incêndio, de acordo com uma pesquisa da Geneva Association e os dados do SUS (Sistema Único de Saúde). Isso advém da pouca importância dada às medidas mínimas de segurança pelas empresas e administradoras. Com isso, o uso de benjamins, sinalizações escassas, materiais inadequados, número e espessura de saídas inadequados e o pouco uso de equipamentos preventivos potencializam essa situação.
Veja agora alguns dos principais incêndios na história do Brasil:
1. Gran Circus (1961)

Circo devastado por incêndio.O circo norte-americano se instalou em Niterói-RJ com a promessa de uma lona feita de náilon. Com apenas dois dias de estreia, a 20 minutos do fim da apresentação, um trapista percebeu um incêndio que envolveu todo o circo em apenas 5 minutos. Sem saídas de emergência, e com uma lona de algodão revestido de parafina altamente inflamável, mais de 500 pessoas foram consumidas pelas chamas. A cada 10 mortos, 7 eram crianças.
O incêndio foi criminoso, criado por um funcionário que havia sido demitido. Mas, a falta de saídas de emergência, aliado ao material inflamável da lona levaram o crime a níveis catastróficos.

2. Edifício Joelma (1974)Edifício Joelma em chamas.

Em um equipamento de refrigeração, no 12º andar do edifício em São Paulo, um curto-circuito criou um incêndio que se alastrou rapidamente e matou 187 pessoas. O material dos escritórios (móveis de madeira, pisos de carpete) contribuiu para a expansão rápida do fogo. O fato de não haver escadas de emergência também fez com que muitos sobreviventes tentassem escapar pelos elevadores, pedir ajuda do terraço ou se jogarem das janelas do Joelma.
Uma das maiores causas de focos de incêndios são os curtos circuitos e, principalmente, em aparelhos de ar-condicionado. Em fevereiro de 2018, uma boate em Salvador sofreu desse mesmo mal e só não teve maiores consequências ou feridos porque não estava em horário de funcionamento e o fogo foi rapidamente controlado.

3. Edifício Wilton Paes (2018)

Atrás da geladeira, em sua tomada, também eram ligados um micro-ondas e uma TV. É nessa cena que se deu início à tragédia mais recente em São Paulo. O prédio, ocupado por pessoas de baixa renda, veio abaixo após um incêndio que começou no 5º andar. Edifício em chamas em São Paulo.Mais uma vez a falta de informação e cuidado com as instalações elétricas geram mortes, mais especificamente 7.
Esse incêndio não se destaca pelo número de mortos, mas pela situação dos moradores, com instalações precárias (fiação exposta, estrutura com fissuras, etc). Isso, além de ser algo tão recente e fácil de acontecer em qualquer empreendimento ou condomínio.

Incêndio em Lojas Renner.

 

4. Lojas Renner (1976)

41 pessoas morreram tentando ser resgatados por helicópteros. Em Porto Alegre, em um edifício de 7 andares, onde funcionavam as Lojas Renner, faltavam locais para pouso dos helicópteros, faltavam também hidrantes naquela rua. A escada do corpo de bombeiros foi o único meio para salvar as vidas naquela situação.
O fogo teve início na seção de eletrodomésticos e tintas, e ainda se crê que o principal foco tenha sido causado por um descarte de cigarro ou fósforo em um depósito. Onde haviam as tintas, também haviam solventes que, em contato com o descarte, geraram as explosões.

5. Boate KISS

O Brasil parou e se voltou para Santa Maria, no Rio Grande do Sul, em janeiro de 2013. O show pirotécnico da banda ‘Gurizada Fandangueira’ foi o estopim para um incêndio de grandes proporções na boate. As péssimas condições de segurança e imprudência por parte dos gestores gerou 242 mortos e 680 feridos.
Um dos fogos lançados pela banda alcançou o revestimento de espuma do local, dando início às chamas. O gás cianeto liberado na combustão do material foi a maior causa de mortes. Para se ter ideia, esse gás era utilizado nos campos de concentração da 2ª Guerra Mundial.
O local não seguia diversas regras dos bombeiros. E, muitas das pessoas, na tentativa de sair, se dirigiram aos banheiros, e acabaram sufocadas pelo gás.

Bônus: Galpões Insinuante

Incêndio em depósito da Insinuante.Tanto em 2012, como em 2014, o depósito da Insinuante, localizado em Lauro de Freitas – BA, sofreu com um incêndio em um de seus galpões.
Em 2014, o incêndio atingiu o armazenamento de colchões e móveis. A Loja de Móveis não divulgou o prejuízo estimado, mas não houveram mortes ou feridos.

Imagine a dor de cabeça que seria qualquer incêndio como esses no seu negócio? Para se manter de acordo com as leis, normas da ABNT e o Corpo de Bombeiros, bem como prevenir prejuízos para o seu negócio, o Projeto de Combate a Incêndio é a solução mais fácil. A EletroJr é referência em soluções em Energia e Segurança.


Escreva um comentário