Antes de mais nada, você conhece bem sobre instalações elétricas? Sabe quais os tipos de tomada e como usá-las? Conhece tudo que está dentro desse tipo de projeto? Se sua resposta for não, não se preocupe, confira esse texto até o final, irei responder essas perguntas e muito mais!

Um dos projetos mais importantes para uma casa é o de Instalações Elétricas. Porque permite o bom funcionamento dos aparelhos e iluminação. Tudo deve estar de acordo com as normas, como a NBR 5410, para evitar aquecimento ou sobrecarga. Para saber mais sobre esse projeto, bem como, dicas sobre como fazer, clique e confira.

Representação de instalações elétricas

Projetar a instalação antes de faze-la, faz toda a diferença, pois, o eletricista tem uma melhor visão sobre tudo. Isso irá facilitar seu trabalho, diminuindo a chance de erros, além de ser possível contar os materiais para realizar o projeto.

A segurança vem sempre em primeiro lugar e quando falamos de eletricidade, todo cuidado é pouco. Por isso use ferramentas certas, lembre de olhar se o disjuntor do medidor está desligado e após ter terminado toda a instalação, veja se ela foi feita corretamente antes de energizar o circuito.

Dicas sobre como fazer instalações elétricas

1) O eletricista deve colocar o quadro de medição em um lugar de fácil acesso tanto para os usuários do lugar quanto para os trabalhadores das empresas de energia que fazem a leitura.

Nesse momento, ele fará as ligações elétricas. A ligação começa por um padrão de alimentação que a concessionária dá  por meio de um ramal de ligação, que é ligado ao medidor. O medidor, por sua vez, fica ligado ao quadro. Do quadro saem os circuitos terminais, colocados no projeto para alimentar os ambientes.

É importante lembrar que o quadro não fica em qualquer lugar da residência. Ele deve ficar em um lugar de fácil acesso, onde não tenha portas e o mais importante, deve ficar o mais perto possível do medidor da concessionária.

2) Os materiais usados neste trabalho precisam ser de qualidade. Produtos que não tenham sua qualidade comprovada não devem ser reaproveitados.

Solicite orçamento de laudo luminotécnico

Fios e cabos desbitolados são aqueles que não estão de acordo com as normas técnicas e não têm certificação, pois, podem danificar as instalações elétricas, por apresentarem menos material que o recomendado. O uso de material inadequado pode causar a queda constante de disjuntores, curto-circuito e também incêndios.

Existem no mercado marcas que produzem materiais ruins, que não tem certificação e nem estão de acordo com a norma. Para evitar isso, o ideal é comprar produtos e materiais de marcas reconhecidas.

3) Antes de iniciar a instalação, a planta descritiva do projeto elétrico e complementares, é fundamental. Nela tem de constar todos os pontos de luz, tomadas, interruptores e os demais elementos usados neste tipo de serviço.

Como falamos até agora, é a partir da área e do perímetro que é determinado o número mínimo de lâmpadas, de interruptores e de tomadas. A partir disso, separam-se os circuitos.

Esses devem ter as cargas divididas entre si, de forma que fiquem equilibrados, com quantidade parecida. A NBR 5410 diz que os circuitos separem os circuitos de iluminação, para tomadas de uso geral (TUG) e para tomadas de uso específico (TUE).

Alguns erros comuns:
  1. As tomadas de uso específico são aquelas que recebem cargas de aparelhos com potências elevadas, como chuveiros, torneiras elétricas, forno elétrico, geladeira, ar-condicionado etc. Eles, sozinhos, geralmente apresentam cargas semelhantes a circuitos que tem a iluminação de toda a residência ou de muitas outras tomadas de uso geral. Se colocados em um mesmo circuito de iluminação ou de tomadas de uso geral, esses circuitos serão sobrecarregados todas as vezes que os aparelhos forem utilizados, podendo gerar vários problemas, que já foram falados nos antes, como queima de aparelhos elétricos, sobrecarga dos condutores, gasto de muita energia etc.
  2. Sobrecarregar disjuntores: O ideal é que coloquem um disjuntor para cada circuito e um geral no quadro de distribuição, para que não aconteça sobrecarga em nenhum deles. Quando muitas cargas estão ligadas a um mesmo disjuntor, há chance de acontecer sobrecarga e curto-circuito, que podem gerar incêndios e queima de aparelhos.
  3. Benjamins e extensões usados de forma errada: As pessoas usam os benjamins e extensões para aumentar a quantidade de equipamentos ligados em uma mesma tomada. Inicialmente, eles são vistos como benéficos, porém, podem ser grandes vilões. Isso é possível, porque, a tomada foi feita para uma carga e os condutores foram projetados para suportar uma determinada corrente elétrica. Contudo, quando estão ligados vários aparelhos em uma mesma tomada, a corrente pode ser ultrapassada. Isso pode gerar aquecimento do circuito, gasto elevado de energia e sobrecarga. Para evitar essa situação, uma solução é fazer um projeto que contemple uma tomada para cada aparelho elétrico.

Para saber como pode usar uma extensão de forma certa, pode clicar aqui.

Falando em tomadas…como saber a quantidade certa para a sua instalação?

Para isso, vamos a um trecho da NBR 5410:

9.5.2.2 Pontos de tomada
9.5.2.2.1 Número de pontos de tomada
O número de pontos de tomada é determinado em função da destinação do local e dos equipamentos elétricos que podem ser aí utilizados, observando-se no mínimo os seguintes critérios:

 

  •  Nos banheiros, deve ser previsto pelo menos um ponto de tomada, próximo ao lavatório, atendidas as
    restrições de 9.1;
  • Em cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, cozinha-área de serviço, lavanderias e locais análogos, deve ser previsto no mínimo um ponto de tomada para cada 3,5 m, ou fração, de perímetro, sendo que acima da bancada da pia devem ser previstas no mínimo duas tomadas de corrente, no mesmo ponto ou em pontos distintos;
  • Nas varandas, deve ser previsto pelo menos um ponto de tomada;
  • Nas salas e dormitórios devem ser previstos pelo menos um ponto de tomada para cada 5 m, ou fração, de perímetro, devendo esses pontos ser espaçados tão uniformemente quanto possível;
  • Em cada um dos demais cômodos e dependências de habitação devem ser previstos pelo menos: um ponto de tomada, se a área do cômodo ou dependência for igual ou inferior a 2,25m². Admite-se que esse ponto seja posicionado externamente ao cômodo ou dependência, a até 0,80m no máximo de sua porta de acesso; um ponto de tomada, se a área do cômodo ou dependência for superior a 2,25m² e igual ou inferior a 6m²; um ponto de tomada para cada 5m, ou fração, de perímetro, se a área do cômodo ou dependência; for superior a 6m², devendo esses pontos ser espaçados tão uniformemente quanto possível.
4) Para não ter problemas, recomenda-se conversar com os moradores para saber onde eles irão colocar pias, fogão, geladeira e todos os equipamentos que precisam de tomada, bem como, se terão telefone, televisão a cabo e internet.
5) Em cada cômodo de uma casa e nas acomodações de hotéis, motéis e similares deve ser colocado, pelo menos, um ponto de luz fixo no teto , com potência mínima de 100VA, comandada por interruptores de parede.

Você já ouviu falar em three way?

É o interruptor usado para ligar cargas de dois pontos diferentes. Projetistas normalmente usam esse tipo de interruptor em corredores, escadas etc.

6) Na instalação elétrica, o aterramento é um dos principais itens. Ele atua, por exemplo, na prevenção de choques elétricos, aumenta a vida útil de equipamentos, reduz barulhos em sistemas de áudio, Home Theaters e melhora o funcionamento de computadores.

Com o condutor terra em contato com o chão, realiza-se o aterramento. A NBR 5410 informa que o sistema de aterramento é um item de proteção e é obrigatório.

É por meio do aterramento que as descargas terão um caminho diferente e seguro, protegendo assim, as pessoas contra choques. Além disso, o aterramento é muito importante para proteger os equipamentos contra queima.

Por esses motivos, o condutor de proteção terra deve ficar em todos os circuitos, sejam eles de iluminação, ou de tomadas. Mas, também é importante fazer o aterramento individual, que é colocado em equipamentos, como máquinas de lavar, secadoras, chuveiros e em outros ambientes molhados. Por isso, são usados fios verdes ou verdes com listras amarelas.

7) Fazer revisões e manutenções

Após a instalação em uma casa, apartamento, ou prédio é importante que a primeira manutenção elétrica preventiva seja feita, no máximo, dez anos após terminar a instalação. Após essa primeira revisão, as outras devem ser feitas, de cinco em cinco anos. Dessa forma, é possível garantir a segurança e a qualidade das instalações.

Por fim, abaixo segue um vídeo da ANEEL sobre as consequências de uma instalação inadequada.

Ficou interessado? Saiba mais!

Pois, preparei alguns outros textos para te indicar sobre tema:

Danos Advindos da Eletricidade: 3 Dicas Simples para se Proteger.

Projeto de Incêndio: Para que serve e a sua importância.